O guia completo dos ETFs

   08/02/2021   •
  10

 min de leitura

Antes de explicar o que é um ETF, devemos contar qual o contexto que permitiu a ascensão meteórica dessa modalidade de investimento na última década.

Vamos deixar claro que nos dias de hoje o tema investimento é sinônimo de tecnologia e inovação. E entender essa relação é essencial para compreender a importância do ETF no mundo dos investimentos

Cada vez mais bancos digitais e fintechs oferecem cashback ou investback para cada transação realizada no cartão de crédito. Surgem plataformas que oferecem carteiras de investimentos automatizadas e até mesmo os bancos aderiram à oferta de carteiras automatizadas nos seus canais de varejo.

Tudo isso foi possível graças ao entendimento da nova realidade: o investidor é um consumidor que busca obter o melhor benefício (máximo de retorno) com o menor preço (taxas menores ou gratuitas).

A experiência de consumo do produto “investimento” é cada vez mais orientada em design de plataformas e em construir experiências intuitivas. Poucos cliques para realizar uma transação e máxima transparência de custos.

Fica claro que o investidor quer mais facilidade, mais transparência, mais conteúdo e mais liberdade de escolha.

O tema deste artigo tem tudo haver com isso. O ETF é o produto de investimento que possibilitou a ascensão meteórica de novos players que oferecem experiências digitais, automatizadas e com foco exclusivo em tecnologia.

Portanto, não se surpreenda se em pouco tempo você se deparar com seu aplicativo de comida oferecendo investimentos….

O crescimento dos ETFs nas últimas duas décadas é uma das revoluções mais importantes do mercado financeiro. E isso é só o começo!

Preparamos este artigo para você entender tudo sobre ETFs e como eles vão mudar a sua forma de investir de agora em diante.

O que é um ETF?

ETFS são fundos de investimentos listados em bolsas de valores

A tradução da sigla em inglês que surgiu em 1990, início da negociação do primeiro ETF é Exchange Traded Fund ou Fundo Negociado em Bolsa.

O produto de investimento que mais cresce no mundo é relativamente novo: o primeiro ETF negociado em bolsa surgiu em 1993. De lá para cá mais de 6.000 ETFs foram criados no mundo todo, cobrindo praticamente todas as classes de ativos.

Estimativas de centros de pesquisa e especialistas de mercado indicam que a indústria deve atingir USD 20 trilhões de dólares até 2023 em ativos sob custódia.

0
Trilhões de dólares (USD)

Em poucas palavras, eles são um instrumento de investimento híbrido que reúnem o melhor de dois tipos de investimentos:

Continue lendo este artigo para conhecer melhor as vantagens desse produto.

Inspiração para o desenvolvimento dos ETFs

Gestão Ativa

...Beat the market....

Gestão Passiva

...Follow the market...

Todo investidor com conhecimento intermediário já deve ter ouvido falar na teoria de Fronteira eficiente de Markowitz. Se não conhece, esta é uma boa oportunidade para aprender.

Tudo começou em 1952 quando Harry Markowitz publicou a Teoria Moderna do Portfólio (MPT em inglês), mais conhecida como fronteira eficiente de Markowitz. 

Não vamos entrar na matemática, pois o intuito é outro. Este sujeito deu a largada para o conceito mais difundido em investimentos: o efeito positivo da diversificação na construção de carteiras de investimento.

Naquela época foi uma tremenda inovação que lhe rendeu o Prêmio Nobel de Economia anos depois em 1990.

Mais importante ainda foi a faísca que deu início à era do uso de cálculos e modelos matemáticos avançados para construção de carteiras de investimentos mais eficientes que pudessem superar o mercado. Essa metodologia é conhecida como Gestão Ativa.

Já em 1960, outro matemático famoso, Eugene Fama, junto com seu parceiro de pesquisas Keneth French concluíram que o investidor não deve tentar superar o mercado. Teoria conhecida como mercado eficiente de acordo com o modelo Fama-French.

Investir no mercado a longo prazo é uma estratégia vencedora, mas tentar vencer o mercado é uma estratégia perdedora.

John C. Bogle

Foi dada a largada para a Gestão Passiva, estratégia de investimento difundida entre os maiores investidores institucionais e emissores de ETFs.

Qual a relação entre investimento passivo e ETF?

O modelo Fama French e sua conclusão que não é possível superar o mercado no longo prazo trouxe implicações profundas sobre os métodos de investimentos utilizados desde então.

Hoje, grande parte dos gestores de fundos tentam replicar o comportamento de índices de mercado.

Isso significa que ao invés de tentar superar um determinado benchmark, como o S&P 500 no caso de um fundo de ações ou a Treasury de 10 anos no caso de um fundo de renda fixa, o gestor irá montar uma carteira que siga esse benchmark à risca.

Essa mudança de postura foi essencial para a adoção em larga escala do ETF como alternativa de alocação por grandes investidores pois simplificou o processo de investimentos dos recursos.

Ao invés de adquirir centenas de ativos diferentes, com apenas um ETF é possível seguir um índice de mercado que replica o comportamento de dezenas e até centenas de ativos em alguns casos.

Evolução da indústria de ETFs

3 fatores que permitiram o surgimento do ETF - O guia completo dos ETFs

Não é à toa que a indústria de ETFs cresce a um ritmo de 40% ao ano, motivando mais investidores a ampliarem seus portfólios e permitindo que fintechs inovem com novas formas de investimentos cada vez mais criativas no mundo todo.

crescimento global de ETFs - O guia completo dos ETFs
crescimento global de robo advisors 768x768 - O guia completo dos ETFs

O número de ETFs é similar ao crescimento dos Robo Advisors. Esse termo representa um conjunto de empresas que distribuem carteiras de investimentos automatizadas, com a escolha, balanceamento e gestão automatizada.

Essa abordagem tem crescido exponencialmente nos últimos dez anos e as estimativas indicam que até 2023 serão mais de 120 milhões de investidores no mundo investindo dessa forma.

Esse formato de investimento é transformacional por alguns motivos:

  1. O investidor conhece seu perfil a partir de perguntas simples e intuitivas;
  2. O Robo Advisor recomenda uma alocação inicial otimizada para a situação de mercado e seu momento de vida.

O Robo Advisor então faz todo o trabalho:

  • Escolhe os ETFs que irão compor a carteira
  •  Faz as mudanças ao longo do tempo
  • Aplicações e resgates podem ser feitos a qualquer momento pelo cliente

Os Robo Advisors já são uma tecnologia usada pelos maiores bancos do mundo, mas ainda são novos no Brasil.

Talvez com o surgimento de mais ETFs, cada vez mais as empresas de investimentos adotem esse tipo de recurso.

Vantagens do ETF

Os inúmeros benefícios do produto indicam enorme potencial de crescimento no mercado brasileiro

Diversificação

A maioria dos ETFs foi desenvolvida para oferecer exposição a uma cesta de ativos, permitindo que o investidor tenha uma carteira diversificada num mesmo produto. 

Ao invés de se preocupar em realizar dezenas de negociações para adquirir a carteira de investimentos ideal, com poucos cliques é possível investir em ETFs.

Grafico 03 1 - O guia completo dos ETFs

Uma pesquisa recente conduzida pela consultoria TrackInsight de setembro de 2020 com mais de 388 investidores profissionais revelou que:

Grafico 04 - O guia completo dos ETFs

Baixo Custo

Taxas de administração reduzidas são um grande diferencial de escolha para investidores.

Outro ponto importante é o fato de que raramente os ETFs cobram taxa de performance (taxa cobrada quando o gestor supera o índice de referência, geralmente em janelas semestrais). Comparado às altas taxas cobradas por fundos multimercados, que costumam cobrar 2% ao ano + 20% de taxa de performance.

Esta característica mudou radicalmente o cenário para os gestores de fundos no mundo todo, muitos já não cobram taxa de performance e vários deles já transformaram seus fundos principais, geralmente com valor de aplicação inicial elevados, em ETFs acessíveis a partir de pouco capital.

Quanto à realidade brasileira, a taxa de administração média dos ETFs brasileiros segue a mesma lógica internacional, com média de 0,3% ao ano.

Taxa de administracao media - O guia completo dos ETFs
E o Brasil?

Ainda estamos dando os primeiros passos para oferecer mais ETFs para os investidores brasileiros. Mas se depender do regulador e das instituições, isso vai mudar rapidamente. 

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) publicou a Resolução 3 em setembro de 2020. Essa resolução permite que investidores pessoa física negociem BDRs de empresas negociadas no exterior. BDRs são recibos de ações de empresas com sede fora do Brasil negociadas na Bovespa ou Brazilian Depositary Receipts.

Essa novidade amplia dramaticamente o leque de escolhas. Serão centenas de empresas americanas, europeias, chinesas e até mesmo startups brasileiras que abriram capital lá fora que poderão fazer parte das carteiras de qualquer investidor. 

Grandes gestores de fundos já estão lançando fundos que investem em BDRs de ETFs, ou seja, o investidor poderá investir em fundos que investem em ETFs do mundo todo através de BDRs.

Ainda não é o ideal, ter os ETFs sendo negociados na própria Bovespa, mas já é um grande passo para o futuro.

No fim de novembro de 2020 a BlackRock e a B3 anunciaram o lançamento de 37 BDRs de ETFs, que devem começar a ser negociados em breve.

Transparência

Os gestores dos ETFs são obrigados a divulgar a composição da carteira do fundo diariamente.

Já por outro lado, gestores de fundos não listados divulgam a informação das carteiras em caráter mensal ou trimestral e geralmente com um atraso significativo, geralmente com 7 a 10 depois do fechamento do mês.

Liquidez

Já falamos que ETFs são negociados diariamente nas principais bolsas de valores no mundo? Não custa nada repetir essa vantagem.

O fato de serem negociados como ações, também abre um leque de oportunidades: operar vendido, negociar com margem de risco, utilizar o ETF como garantia de operações estruturadas.

O volume médio diário negociado em ETFs na bolsa de Nova York já é de USD 111 bilhões (dados de set/20, NYSE), cifra 16 vezes maior que o volume médio diário total negociado no mercado brasileiro.

Para se ter idéia de ordem de grandeza do mercado nos Estados Unidos,  o total de ativos sob custódia dos ETFs na bolsa de Nova York é de USD 4,7 trilhões.

USD 111 bilhões

Volume médio diário de ETFs negociado na bolsa de Nova York

USD 4,7 trilhões

Tamanho do mercado de ETFs nos EUA

Como escolher ETFs

segredos para escolher um bom ETF - O guia completo dos ETFs

Aderência ao benchmark

Como a maior parte dos ETFs replica um índice de mercado ou uma cesta de ativos, o investidor deve saber avaliar qual o desempenho do fundo em comparação ao desempenho dessa cesta de ativos.

Vamos explicar os dois indicadores mais importantes para capturar essa característica: o Erro de Aderência (TE) e a Diferença de Retorno (TD).

grafico 08 - O guia completo dos ETFs
  1. O Erro de Aderência mede a volatilidade da diferença de retorno diário entre o ETF e o índice de referência.
  2. A Diferença de Retorno mede a diferença de retorno nominal entre o ETF e o índice de referência.

A análise única do Erro de Aderência pode levar a conclusões falsas sobre o nível de aderência do ETF em relação ao benchmark. O indicador mede apenas a oscilação da diferença de retornos, sem dizer muito sobre a direção do retornos em si. Ou seja, se o Erro de Aderência for baixo não significa que o retorno é baixo e vice-versa.

O indicador de Diferença de Retorno ou TD reflete os custos totais do ETF para o cliente final e identifica a ordem de grandeza dos custos do produto. Portanto, quanto maior for a Diferença de Retorno, mais “caro” é o ETF, pois sua estrutura de custos aumenta a diferença de retorno entre o ETF e o índice de referência.

A imagem abaixo detalha como é calculado a Diferença de Retorno:

diferenca de retorno 768x512 - O guia completo dos ETFs
  • Alocações táticas de curto prazo devem buscar um Erro de Aderência baixo (menos oscilação);
  • Alocações de longo prazo devem buscar baixa Diferença de Retorno (retornos parecidos).

Liquidez de Negociação

Investidores devem avaliar dois indicadores para determinar a liquidez.

Volume Negociado
Volume médio diário negociado
Bid Ask Spread
Diferença entre preço de compra e preço de venda. Quanto maior for o spread, pior.
Anterior
Próximo

Infelizmente a maior parte do volume negociado no mercado secundário de ETFs é proveniente de poucos ativos. Menos de 2% do total de ETFs negociados no mundo representam 80% do volume negociado.

media movel trimestral de volume - O guia completo dos ETFs

Modelo de Gestão

Além da aderência ao benchmark e liquidez de negociação, é muito importante avaliar a qualidade de gestão do fundo, sempre com critérios objetivos e quantitativos.

O gestor do fundo é responsável por negociar os ativos que vão compor a carteira, portanto conhecer o risco de contraparte e o histórico de atuação é essencial para o sucesso da estratégia de investimento.

Esse tópico exige um nível de análise mais profundo, geralmente mais comum para investidores qualificados.

Como o gestor deve montar a carteira do ETF e negociar os ativos a mercado, isso significa que nessas transações existe um risco de crédito da contraparte. 

O risco do vendedor dos ativos não entregar os mesmos ou do comprador não ter recursos financeiros para honrar com o compromisso.

Esse risco é baixo para os ativos negociados em bolsas que tem câmaras de liquidação, mas é relevante quando o ativo lastro é negociado em balcão e não tem muita liquidez, como swaps, termos, NDFs e commodities com entrega física por exemplo.

A essa altura deve ter ficado claro para o leitor que o mercado de ETFs é enorme e bem desenvolvido. Os cinco maiores emissores detém mais de USD 5 trilhões de ativos sob custódia apenas nos Estados Unidos (dados de 2019).

São eles: BlackRock, Vanguard, State Street, Invesco e Charles Schwab. Empresas desse calibre se especializaram em estruturar e distribuir ETFs em larga escala. Mas isso não diminui a importância de avaliar a qualidade do gestor do fundo.

Critérios como corpo técnico do gestor, quantidade de ETFs emitidos e ativos sob gestão são importantes.

grafico 11 1 - O guia completo dos ETFs

Como investir em ETFs

Este artigo tem o objetivo de explicar melhor sobre o produto de investimento mais falado da atualidade.

Infelizmente o mesmo ainda tem pouca liquidez e diversidade de opções na bolsa brasileira B3, mas tudo indica que essa realidade vai em breve mudar. Neste link você pode consultar a lista completa de ETFs negociados na Bovespa.

Bancos e corretoras estão cada vez mais competitivas: baixos custos, corretagem zero, plataformas digitais, baixo valor mínimo de aplicação.

Sem falar no surgimento de carteiras automatizadas conhecidas lá fora como robô advisors e aqui no Brasil distribuídas por algumas fintechs de investimento.

A tendência mundial que uniu tecnologia e investimentos está apenas começando no Brasil.

Aproveite a oportunidade para conversar com um especialista de investimentos no horário de sua escolha e comece a investir nos melhores ETFs do mundo agora mesmo!

LOGO 700x700 1 - O guia completo dos ETFs

Plano de Vida

Recomendamos carteiras de investimentos que investem nos melhores ETFs do mundo.

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Fique por dentro de tudo!

Assine nossa newsletter e fique informado sobre tudo o que acontece no mercado

Outras notícias

Entre em contato