Resultados da Pesquisa

Encontramos estes resultados abaixo:

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Etiqueta: Jair Bolsonaro

Sem acordo, Davi cancela sessão do Congresso para analisar vetos

Por falta de acordo sobre alguns vetos, o presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre, cancelou a sessão do Congresso Nacional marcada para esta quarta-feira (30). Entre os itens na pauta da sessão remota deliberativa estava o VET 26/2020, que prorroga a desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia até dezembro de 2021 (MP 936/2020 – Lei 14.020, de 2020) e o VET 56/2019 – Parcial, que derrubou 24 dispositivos do chamado pacote anticrime (PL 6.341/2019 – Lei 13.964, de 2019). “Diante da inexistência de entendimento suficiente por parte das lideranças do Congresso Nacional sobre matérias a serem deliberadas na sessão do Congresso convocada; em face da necessidade de que a apreciação de vetos presidenciais, especialmente no sistema remoto, se dê com um mínimo de entendimento sobre os vetos a serem deliberados […] a presidência decide cancelar as sessões deliberativas convocadas para esta quarta-feira”, diz a nota divulgada

Bolsonaro indicará Kássio Nunes, do TRF-1, para vaga no STF, diz fonte à Reuters

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro vai indicar para ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) o desembargador Kassio Nunes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), na vaga que será aberta com a aposentadoria do ministro Celso de Mello no próximo dia 13, disse uma fonte com conhecimento do caso. A escolha surpreende por não ser um dos nomes que estavam na chamada lista de apostas para uma cadeira no STF. Uma fonte informada da decisão pelo Palácio do Planalto elogiou o nome do desembargador do Piauí para o Supremo. “Acho que é um garantista, é uma boa escolha”, disse. Natural de Teresina no Piauí, Kassio Nunes tem 48 anos e se tornou desembargador do TRF-1 em vaga reservada aos advogados do chamado Quinto Constitucional em 2011, de acordo com o site do TRF-1. Procurada, a assessoria do TRF-1 não respondeu de imediato os pedidos de comentário sobre

“Medidas populistas terão custo muito alto para o País”, diz Mansueto Almeida

O economista Mansueto Almeida, ex-secretário do Tesouro Nacional, é um dos técnicos mais respeitados do País quando o que está em pauta é a questão fiscal. Em sua primeira entrevista depois de deixar o governo, em 15 de julho, Mansueto, que completa 53 anos hoje, afirmou ao Estadão que todo mundo vai perder se a agenda fiscal sair do trilho. “Se o debate político nos levar a adotar medidas populistas, já que os benefícios de curto prazo são maiores do que os danos, que vão aparecer aos poucos, o custo será muito alto”, afirma. “Os juros vão aumentar, a inflação vai voltar, os desequilíbrios setoriais vão se acentuar e o investimento vai cair.” Qual a sua visão sobre a situação fiscal do País? Como o Brasil sairá da pandemia neste quesito? É um pouco preocupante. Quando o teto de gastos foi aprovado, em 2016, foi previsto um ajuste fiscal gradual,

Governo usará recursos de precatórios e Fundeb para financiar novo programa social

SÃO PAULO – Após uma série de idas e vindas, o governo Jair Bolsonaro chegou a um entendimento sobre a criação e o financiamento de um novo programa social para substituir o Bolsa Família e suceder o auxílio emergencial. As linhas gerais foram anunciadas após reunião com os líderes na tarde desta segunda-feira (28). A solução apontada para custear o Renda Cidadã – novo nome para o antigo Renda Brasil após o presidente “proibir” a discussão sobre o assunto em seu governo – foi limitar o que é destinado ao pagamento de precatórios por parte da União. “Não pensem que foi fácil. Nessas últimas semanas, tudo que imaginávamos sempre tem uma parte que vai ferir alguém, que tem que tirar dinheiro para isso, mas a solução final está dada hoje em um consenso”, afirmou o senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC do Pacto Federativo – proposta usada para a

Governo lança ofensiva por “nova CPMF” no Congresso, mas enfrenta resistência

SÃO PAULO – O governo Jair Bolsonaro lançou, nos últimos dias, uma ofensiva pela criação de um novo imposto sobre transações de pagamento. O tributo é apresentado pela equipe econômica como solução para uma ampla desoneração da folha de pagamentos, mas enfrenta resistências no Congresso Nacional. Este foi um dos assuntos do podcast Frequência Política. programa é uma parceria entre o InfoMoney e a XP Investimentos. Ouça a íntegra pelo player acima. A movimentação ocorre em semana em que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), está afastado das atividades políticas para se recuperar da Covid-19. O parlamentar é um dos maiores críticos ao tributo e tem se mostrado pouco disposto a pautar o debate durante sua gestão no comando da casa legislativa, que vai até o fim do ano. Há uma tentativa de construção de acordo entre parlamentares governistas e aliados de Maia para destravar a proposta

Bolsonaro passa por cirurgia e apresenta quadro estável e sem dor, diz boletim

SÃO PAULO (Reuters) – A cirurgia a que o presidente Jair Bolsonaro foi submetido nesta sexta-feira para retirada de um cálculo na bexiga ocorreu sem intercorrências, o cálculo foi completamente removido e o presidente está estável, sem febre e sem dor, informou boletim médico do Hospital Albert Einstein. O procedimento demorou cerca de 1h30, de acordo com boletim. Bolsonaro deu entrada no hospital às 7h desta sexta e a expectativa é de que ele permaneça internado, no máximo, até domingo, segundo disse à Reuters na quinta-feira o médico Leandro Echenique, um dos responsáveis pelo tratamento de Bolsonaro. Bolsonaro, de 65 anos, foi operado quatro vezes após ser esfaqueado durante a campanha presidencial de 2018. A primeira, de emergência, em Juiz de Fora (MG), onde ocorreu o ataque contra ele. Depois foram intervenções realizadas em São Paulo, para desobstrução intestinal, retirada de uma colostomia e correção de uma hérnia. O presidente

Avaliação positiva de governo Bolsonaro sobe a 40%, maior patamar do mandato, diz CNI/Ibope

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) – A avaliação positiva do governo do presidente Jair Bolsonaro subiu e atingiu o maior patamar desde que ele tomou posse em janeiro de 2019, alcançando 40%, ante os 29% registrados em dezembro do ano passado, mostrou pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quinta-feira. De acordo com o levantamento, a avaliação negativa do governo ficou em 29% ante os 38% do levantamento do final do ano passado, e 29% apontam o governo como regular, contra 31%. O levantamento apontou ainda que 50% aprovam a forma de Bolsonaro governar, ante 41% na pesquisa anterior, ao passo que 45% a desaprovam, contra 53% no final de 2019. A pesquisa, feita pelo Ibope e encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), auferiu ainda a confiança no presidente, e 46% disseram confiar –ante 41% em dezembro– e 51% afirmaram não confiar –contra 56% na sondagem anterior. Foram ouvidas 2 mil pessoas entre os

Heleno diz que retaliação a países que boicotarem Brasil pode estar na mira do governo

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, afirmou nesta terça-feira que a possibilidade de retaliar países que boicotarem produtos brasileiros em função da situação ambiental no país pode estar na mira do governo. Em entrevista à rádio Bandeirantes, Heleno voltou a criticar a reação internacional aos dados relacionados ao meio ambiente e bateu na tecla da importância do agronômico brasileiro. “É uma medida que obviamente pode estar na mira do governo brasileiro”, disse o ministro, questionado se o governo considerava a possibilidade de retaliar países em que houver boicote a produtos brasileiros por causa da questão ambiental. “Só que é o tal negócio. Você já comprou uma coisa finlandesa? Já comprou alguma coisa norueguesa, sueca? Não me lembro de ter na minha casa produtos”, listou Heleno. “Alemã, muita coisa. Muita coisa”, concordou, ao ser interrompido pelo jornalista. “Esse é um que valia até a pena”,

Observatório do Clima: discurso “delirante” de Bolsonaro na ONU ratifica preocupação de investidor

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), nesta terça-feira, 22, foi “calculadamente delirante” e confirma as preocupações de investidores estrangeiros quanto às crises ambiental e sanitária no País, segundo avaliação do Observatório do Clima. A entidade ambientalista reúne mais de 50 Organizações Não-governamentais (ONGs) e movimentos sociais. Em pouco mais de 14 minutos de fala, Bolsonaro voltou a elogiar a atuação do governo no combate à pandemia, criticou a imprensa por “levar caos social ao País” e rebateu críticas à forma como sua gestão lida com o desmatamento crescente do Pantanal e da Amazônia. Segundo ele, o Brasil é vítima de “uma das mais brutais campanhas de desinformação” sobre a questão ambiental. Para o Observatório do Clima, a declaração do presidente “não foi voltada à comunidade internacional, mas sim à claque bolsonarista”. Em nota enviada ao Broadcast Político, a direção da entidade

Brandão assume presidência do BB e indica que privatização não está na pauta do governo, que quis gestor no comando

SÃO PAULO – Em entrevista para a agência interna de notícias, André Brandão, que assume a presidência do Banco do Brasil nesta terça-feira (22), defendeu a diversidade no quadro de funcionários do banco, questão que tem sido cada vez mais debatida por grandes empresas, especialmente em cargos de liderança. “Acredito muito na diversidade. Então, eu acho que isso é importante para a cultura do Banco ou em qualquer lugar que ele venha trabalhar. Quanto mais diversidade, melhor. A gente diz que quando você cria todo mundo igual, homem vindo do mesmo lugar, etc., cria uma uniformidade de pensamento. Quer dizer, quanto mais você tem essa diversidade, melhor é para pensar em negócios e para alavancar muitas coisas”, afirmou à agência, conforme entrevista transcrita à qual o InfoMoney teve acesso. Em relação a uma eventual privatização do banco, Brandão enfatizou que a decisão deve partir do acionista, mas ressaltou que o

Entre em contato